Imprimir

Teeb: Metade das áreas úmidas do planeta foram perdidas - [Pag 28 - Ed 56]

. Acessos: 829

NO SÉCULO XX

Estudo da iniciativa Economia dos Ecossistemas e Biodiversidade aponta que pântanos, mangues e outros ecossistemas que formam as chamadas áreas úmidas estão desaparecendo devido aos impactos da agricultura, urbanização e poluição

As áreas úmidas, lar de uma rica biodiversidade e que são essenciais para a humanidade por fornecerem todo o tipo de serviço ecossistêmico, incluin- do a manutenção dos recursos hídricos, estão em um estado crítico por causa dos impactos das nossas atividades.

Quem informa é o novo relatório da iniciativa Economia dos Ecossistemas e Biodiversidade (Teeb), publicado em 2 de fevereiro, dia internacional das áreas úmidas. O Teeb é uma iniciativa elaborada pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) em 2007 para desenvolver uma aná- lise global sobre o impacto econômico gerado pelas perdas da biodiversidade.

Segundo o documento, durante o século passado cerca de 50% de todos os ecossistemas que formam as áreas úmidas, incluindo pântanos, manguezais, charcos e turfeiras, foram destruídos pela expansão da ocupação humana, seja por motivos agrícolas, industriais ou de moradia. “São as pessoas mais po- bres que sofrem quando a biodiversidade é perdida, porque sua sobrevivência depende da riqueza da natureza. Quando destruímos as áreas úmidas, aca- bamos com o ciclo da água e com o fornecimento deste recurso para residên- cias e fazendas, aumentando ainda mais o sofrimentos dos pobres”, afirmou Pavan Sukhdev, embaixador da Boa Vontade do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e atual presidente da diretoria do Teeb.

Para piorar, ainda estamos destruindo as áreas úmidas em uma taxa alar- mante. Citando dados da Convenção Ramsar – primeiro tratado intergover- namental a fornecer uma base estrutural para a cooperação internacional no sentido da conservação das zonas úmidas –, o relatório afirma que dos 127 países participantes da convenção, apenas 19% apresentam melhoras nas condições da conservação desses ecossistemas. “Todos no planeta de- pendem de água para sobreviver e para seus negócios. As áreas úmidas são as infraestruturas naturais que gerenciam e providenciam a nossa água. Este relatório confirma o quanto elas são valiosas e como, mesmo sabendo disso, continuamos a destruí-las para nosso próprio prejuízo”, declarou Nick Davidson, secretário-geral da Convenção Ramsar.

O Teeb afirma que os custos de não proteger as áreas úmidas seriam astro- nômicos. Por exemplo, somente nos Estados Unidos, esses ecossistemas forne- cem o equivalente a US$ 23,2 bilhões anuais em serviços de proteção a tempes- tades. A perda de um hectare de área úmida significaria um aumento de US$ 33 mil em prejuízos com fortes chuvas. Outro exemplo citado foram os prejuí- zos causados pela inundação no Reino Unido em 2007, que chegaram a US$ 5,2 bilhões. A maior parte dessas perdas aconteceram em regiões que costuma- vam ser cobertas por áreas úmidas que foram convertidas em zonas urbanas.

Quando destruímos as áreas úmidas, acabamos com o ciclo da água e com o fornecimento deste recurso para residências e fazendas, aumentando ainda mais o sofrimentos dos pobres. (Pavan Sukhdev, presidente da diretoria do Teeb)

Boas Iniciativas

Mas o relatório não fala apenas em perdas, são apresentados também casos bem sucedidos de medidas que recuperaram áreas degradadas.

No Senegal, 45 mil hectares de manguezais foram destruídos nos estuários de Casaman- ce e Sine Saloum entre 1970 e 2008 devido à expansão das atividades agrícolas e do uso de madeira na construção civil. Essa perda resul- tou na queda dos estoques de pescado e no au- mento da salinidade da já escassa água potá- vel. Diante disso, a ONG Oceanium deu início a uma estratégia de recuperação da região e co- meçou a replantar os mangues.

Em 2008 foram replantados 163 hectares, que serviram para atrair a atenção de apoiadores, como a Danone. Em 2009 já foram 1700 hecta- res, e em 2010 e 2011 mais 4900 hectares. O pro- jeto atualmente está registrado no Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) das Nações Unidas e gera créditos de carbono.

Nos Estados Unidos, a região conhecida como Napa Valley, na Califórnia, costumava sofrer com enchentes frequentes, sendo que apenas uma em 1986 resultou em US$ 100 milhões em prejuízos. Por isso, no ano de 2000 foi dado início a um projeto de US$ 400 milhões para expan- dir a vegetação ao longo do rio Napa em substi- tuição aos muros que existiam no local. Mais de 700 acres de zona urbana foram convertidos em pântanos, que além de ajudarem a reter a água do rio viraram uma atração turística.

“A degradação e perda das áreas úmidas é de- vida em grande parte à limitada percepção de quanto são valiosas e a políticas ineficientes. Está claro que já sofremos prejuízos socioeco- nômicos suficientes por causa dessa postura. A boa notícia é que esse relatório mostra de for- ma convincente o valor de proteger e restaurar esses ecossistemas”, concluiu Braulio Dias, se- cretário executivo da Convenção sobre Diversi- dade Biológica (CBD).

texto Fabiano Ávila

Você é registrado? Efetue login no menu a direita ou Clique aqui...

ALERJ

Our website is protected by DMC Firewall!