Imprimir

Mais um ambientalista assassinado no Rio de Janeiro

. Acessos: 1049

Além das agressões e ameaças sofridas pelo casal Wigold Schaffer e Miriam Prochnow, em Atalanta/Santa Cantarina, ambos membros da APREMAVI (Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida), no Rio de Janeiro, mais um ambientalista foi assassinado, desta vez na zona de amortecimento do Parque Estadual do Cunhambebe, Rio Claro/RJ.

Trata-se do biólogo Gonzalo Alonso, em Rio Claro/RJ. Todas as evidências apontam para a ação de caçadores e palmiteiros denunciados pelo ambientalista. A polícia deveria começar por aí a investigação do crime de assassinato e e os órgãos ambientais deveriam realizar uma força tarefa na região para reprimir os crimes ambientais. O movimento ambientalista realizou em 19 de agosto um Ato Público em Repúdio ao Assassinato de Gonzalo, em frente à Secretaria Estadual de Segurança Pública, Praça Cristiano Ottoni, Centro, Rio de Janeiro.

Gonzalo Alonso Hernández era biólogo e residia no distrito de Lídice (Rio Claro – RJ), no entorno do Parque Estadual do Cunhambebe. Gonzalo participava, desde 2009, do projeto “Produtor de Água e Floresta” cujo objetivo é implantar um sistema de Pagamento por Serviços Ambientais no município de Rio Claro, remunerando o produtor rural pela conservação e restauração florestal. Gonzalo foi um grande colaborador para toda a equipe do projeto visto que vinha, ao longo destes anos, colaborando com o monitoramento hidrológico da região, realizando coleta de dados de precipitação diária no alto da Bacia do Rio das Pedras, análises de qualidade de água e mensuração da vazão do Rio das Pedras. O biólogo fazia registros de espécies de fauna e flora ameaçadas de extinção, apontando para a comunidade e órgãos ambientais sobre a importância da proteção da região onde morava. Além disso, Gonzalo era conhecido por sua ação incisiva contra caçadores, palmiteiros e contra todos aqueles que agiam de forma ilícita, degradando o meio ambiente. O assassinato do biólogo representa um afronto à luta ambiental e representa uma grande perda para o movimento ambientalista.


Mais informações: Mauricio Ruiz - Secretário-Executivo - ITPA – Instituto Terra de Preservação Ambiental - Skype: mauricio.ruiz.branco - + 55 21 2570-0926 - itpa.org.br | @itpa_itpa | facebook/itpa.brasil

Fonte: O Globo.

 


Leia mais sobre o assunto:

Manifestação exige punição aos assassinos de ambientalista

Sítio de espanhol assassinado em Rio Claro vai virar QG de combate a Crimes Ambientais

RMA lança manifesto e protesto contra agressões a ambientalistas


 

{fcomment id = 136}

ALERJ

Our website is protected by DMC Firewall!