Imprimir

Terra pode perder 75% de sua biodiversidade nos próximos séculos

. Acessos: 867

8576
O pinguim Africano (Spheniscus demersus), está em vias de extinção. Sua população diminuiu em 60% em quase 30 anos, em parte por causa da competição por comida da pesca comercial na costa da África Austral

Ao longo dos últimos 3,5 bilhões de anos mais de 95% das espécies que já povoaram a Terra foram extintas. Esta é a estimativa científica sobre o passado. No entanto, a perda da biodiversidade mundial ainda acontece hoje e em níveis altíssimos.

Conforme reportagem publicada na revista científica Nature, se a tendência atual continuar a se repetir, é possível que, nos próximos séculos, o planeta perca 75% de suas espécies. Os mais ameaçados são os anfíbios, que devem ser reduzidos em 41%.

Apesar de essas serem previsões feitas por especialistas, ainda é muito difícil mensurar com certeza o tamanho do desastre. Isto porque as espécies registradas são ínfimas em relação às existentes. Estima-se que existam mais de 50 milhões de tipos diferentes de animais, plantas e fungos vivos. Porém, menos de dois milhões foram catalogados.

Ainda assim, com um número tão baixo estudado, a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) possui 76 mil nomes na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas.

Quando os pesquisadores avaliam o futuro, o cenário é repleto de incertezas. Muitos fatores, como as mudanças climáticas, ainda são obscuros em suas consequências e podem acelerar a extinção de diferentes formas, muitas delas desconhecidas até agora.

O estudo da Nature mostra que as políticas de conservação poderiam retardar as extinções, mas as tendências atuais não são positivas. Mesmo com a expansão de áreas terrestres e oceânicas protegidas, as pressões sofridas continuam a aumentar. “Em geral, o estado da biodiversidade está piorando, em muitos casos de forma significativa”, explicou Derek Tittensor, ecologista marinho do Programa Ambiental das Nações Unidas para a Conservação Mundial e do Centro de Monitoramento de Cambridge, em declaração à Nature.

Para conseguir mensurar melhor o cenário futuro, os pesquisadores têm trabalhado no desenvolvimento de sistemas interativos para computadores que permitem a realização de simulações sobre a forma como as atividades humanas alteram os ecossistemas. O primeiro modelo, chamado de GEM, levou três anos para ser construído e tenta representar todos os micro-organismos com massa corporal de dez microgramas até 150 toneladas. O projeto ainda passa por ajustes, mas se for possível capturar toda a amplitude da vida na Terra, ela também pode ajudar a reduzir o estrago futuro.

Clique aqui para mais informações.

603bO pangolim (Manis crassicaudata), que também está em perigo, vive no sul da Ásia, onde os caçadores têm como alvo o animal para sua carne e escamas, que são utilizados em medicamentos tradicionais 603cO Ibis de crista japonês (Nipponia nippon) foi conduzido à beira da extinção pelo desmatamento, caça e outras ameaças, que diminuíram as populações selvagens para apenas um punhado de aves na década de 1980. A população se recuperou no centro da China para aproximadamente 500 indivíduos

 

Fonte: CicloVivo.


 

ALERJ

Our website is protected by DMC Firewall!