Imprimir

André Corrêa vistoria obras de dragagem e saneamento em São Gonçalo

. Acessos: 366

892

A obra de saneamento do Sistema Alcântara, uma das mais importantes do Programa de Saneamento dos Municípios do Entorno da Baía de Guanabara

O secretário estadual do Ambiente, André Corrêa, visitou nesta segunda-feira (11/4) as obras de construção do Sistema de Esgotamento Sanitário de Alcântara e de desassoreamento dos rios Alcântara e Brandoas, em São Gonçalo. Os serviços de dragagem, executados pelo Inea, têm como objetivo evitar o transbordamento de rios da região, com a desobstrução dos cursos d´água. Já a implantação do sistema de coleta e tratamento de esgoto de Alcântara irá contribuir para a redução do volume de esgoto lançado in natura nas águas da Baía de Guanabara, beneficiando cerca de 350 mil moradores.

“O Governo do Estado tem tanta preocupação com São Gonçalo que a maior obra do Estado está aqui. São quase 100 quilômetros de redes de saneamento e uma grande Estação de Tratamento de Esgoto de Alcântara que sendo construída com o objetivo de diminuir a carga de esgoto doméstica que chega à Baía de Guanabara”, destacou o secretário André Corrêa.

A obra de saneamento do Sistema Alcântara, uma das mais importantes do Programa de Saneamento dos Municípios do Entorno da Baía de Guanabara (PSAM), da Secretaria de Estado do Ambiente (SEA), prevê a construção de uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), com implantação de uma rede coletora de 97 quilômetros de extensão, duas elevatórias de grande porte e seis elevatórias de pequeno porte, além de interligações à rede de esgotamento sanitário em mais de 17.000 casas. Na finalização da primeira etapa da obra, 1.200 litros por segundo de dejetos sanitários deixarão de ser despejados na Baía. O investimento totaliza R$ 354 milhões, financiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), com prazo de conclusão previsto para novembro de 2018.

“Um diferencial dessa obra, ao contrário do que foi feito no PDBG (Programa de Despoluição da Baía de Guanabara), é que a mesma empresa será responsável por construir os cem quilômetros de rede, a estação de tratamento e as elevatórias, numa única licitação. Assim não teremos os mesmos equívocos de planejamento do passado”, afirmou André Corrêa.

De acordo com o subsecretário de Segurança Hídrica e Saneamento Ambiental, Antônio da Hora, em razão da complexidade da obra, foram necessários quatro meses somente para injetar brita por baixo do solo e três semanas para fincar cerca de 3500 estacas metálicas, com quatro metros de altura, visando a assentar o terreno que irá receber as estruturas de fundação da Estação de Tratamento de Esgoto.

Durante a vistoria, o secretário anunciou que a empresa incluiu no escopo do projeto a conexão de mais de 17 mil domicílios à rede de esgoto em implantação, e ainda antecipou que a licitação para a construção do sistema de esgotamento sanitário de Pavuna deverá ser lançada em meados do segundo semestre.

“São três lotes de obras na Baixada Fluminense, 90% disso no município de Caxias que hoje tem praticamente zero cobertura de saneamento. O projeto executivo já foi concluído em março. Vamos pegar o esgoto de Caxias e encaminhar para tratamento na ETE Pavuna”, afirmou o secretário André Corrêa.

Limpa Rio

Para aliviar as consequências das últimas enchentes, uma equipe do Programa Limpa Rio, do Inea, iniciou nesta segunda-feira os serviços de limpeza e desassoreamento em trecho de 1,2 quilômetro de extensão do Rio Alcântara, entre o centro de Alcântara e o bairro Jardim Catarina, em São Gonçalo. Com duração de três meses, a dragagem irá remover mais de 30 mil metros cúbicos de sedimentos acumulados ao longo do leito e margens do rio, beneficiando cerca de 300 mil habitantes.

No acompanhamento do início dos trabalhos, o secretário do Ambiente André Corrêa enfatizou o esforço desprendido pelo Governo do Estado para realizar essa obra emergencial diante da crise financeira que atinge o Estado:

“Nós vamos remover cerca de três mil caminhões de sedimentos do trecho de um quilômetro de rio que vai da Avenida Maricá até a entrada do Jardim Catarina. Estamos procurando trabalhar para minorar os efeitos dessas enchentes. A gestão de rios é uma atribuição concorrente entre Estado e Município, estamos abertos a qualquer tipo de apoio que a prefeitura puder oferecer”, declarou o secretário André Corrêa.

Técnicos do Inea e SEA ainda vistoriaram a dragagem do Rio Brandoas, outro curso d´água beneficiado por serviços de desassoreamento do Programa Limpa Rio desde o início do mês. Aproximadamente 14 mil metros cúbicos de sedimentos serão dragados em 1.700 metros de extensão do rio. O material será descartado em um terreno da SEA, devidamente licenciado, em Alcântara. O prazo de conclusão é de três meses.


Fonte: Portal do Governo RJ.

ALERJ

Our website is protected by DMC Firewall!