Imprimir

A Era da Carne

. Acessos: 610

835

O consumo de animais é um luxo recente para a humanidade. Talvez o alerta da OMS seja o início do fim dessa época

Por Martín Caparrós*

A carne se tornou, de repente, ainda mais fraca. Já era atacada por vários lados e agora, subitamente, veio o golpe ardiloso: causa câncer. Sabemos disso, tentamos ignorá-lo: viver causa muito câncer e essas vidas do século XXI produzem principalmente paranoicos, cidadãos tão satisfeitos com essas vidas, tão aborrecidos com essas vidas que vivem para preservá-las. Para tanto se entrincheiram em si mesmos — porque tudo o que vem de fora pode ser perigoso: fumaças, sais, açúcares, hidratos, gorduras, várias drogas, corpos estranhos ou mesmo conhecidos. E agora, claro, a carne cancerígena.

Dizem que, no início, a carne fez os homens: que aquelas animaizinhos carniceiros que fomos há três milhões de anos desenvolveram suas mentes graças às gorduras e proteínas animais que comiam quando encontravam um cadáver não decomposto. Assim foram melhorando, aprenderam a matar eles mesmos e melhoraram mais; descobriram o fogo, cozinharam e, lentamente, se fizeram homens e mulheres. Comiam a carne que caçavam e frutas que coletavam até que, há poucos dias, alguém percebeu que, se enterrasse uma semente conseguiria uma planta e o mundo foi se tornando outro, este: surgiram a agricultura, as cidades, os reis, novos deuses, a roda, os metais, milhões de pessoas, as cáries, as classes, a riqueza e suas diversas injustiças. A revolução neolítica mudou tudo e também a alimentação: desde então os humanos — exceto, é claro, os ricos e famosos — passaram a comer principalmente algum cereal, tubérculo ou verdura, ocasionalmente acompanhados por um pedacinho ou dois de alguma carne. E assim foi, durante dez mil anos, até que, algumas décadas atrás, as sociedades mais ricas do planeta entraram na Era da Carne.

A carne é um estandarte e é uma mensagem: que este planeta só pode ser usado assim se bilhões se resignarem a usá-lo muito menos

Hoje nos parece normal, mas é muito estranho: um bife com batatas, salsichas com purê, frango com arroz, proteína animal com algum vegetal como acompanhamento é uma inversão da ordem histórica, uma enorme mudança cultural — e nem sequer pensamos nisso. E pensamos ainda menos no que isso significa como gesto econômico e social. Não digam a ninguém o que está dizendo um argentino: comer um bife/chuleta/filé, um grande pedaço de carne, é uma das formas mais eficazes de validar e aproveitar um mundo injusto.

Consumir animais é um luxo: uma forma muito clara de concentração da riqueza. A carne acumula recursos que poderiam ser compartilhados: são necessárias quatro calorias vegetais para produzir uma caloria de carne de frango; seis para produzir uma de porco; dez calorias vegetais para produzir uma caloria de vaca ou de cordeiro. A mesma coisa acontece com a água: são necessários 1.500 litros para produzir um quilo de milho, 15.000 para um quilo de carne de vaca. Isto é, quando alguém come carne se apropria de recursos que, compartilhados, seriam suficientes para cinco, oito, dez pessoas. Comer carne é estabelecer uma desigualdade brutal: sou eu quem pode engolir os recursos de que vocês precisam. A carne é um estandarte e é uma mensagem: que este planeta só pode ser usado assim se bilhões de pessoas se resignarem a usá-lo muito menos. Se todos quiserem usá-lo igualmente não pode funcionar: a exclusão é condição necessária — e nunca suficiente.

Cada vez mais pessoas se empurram para sentar-se à mesa das carnes — os chineses, por exemplo, que há 20 anos consumiam cinco quilos por pessoa por ano, e agora mais de 50 — porque comer carne te define como um predador bem-sucedido, um vencedor. Nas últimas décadas, o consumo de carne aumentou o dobro da população mundial. Ao redor de 1950, o planeta produzia 50 milhões de toneladas de carne por ano; agora, quase seis vezes mais — e a previsão é de que volte a dobrar em 2030. Enquanto isso, um bom terço da população mundial continua comendo como sempre: bilhões de pessoas não provam a carne quase nunca, a metade da comida que a humanidade consome diariamente é o arroz, e um quarto mais, trigo e milho.

Vai demorar, mas em algum momento, dentro de décadas, um século, os historiadores começarão a olhar para trás e falarão sobre estes tempos –um lapso breve, um suspiro na história– como A Era da Carne.

E surgem rachaduras no império da carne. Primeiro foi o imperativo da saúde: quando nos disseram que o colesterol da carne nos enlameava o corpo. E agora, nos bairros mais cool das cidades ricas, cada vez mais senhoras e senhores rejeitam a carne por várias convicções: não querem comer cadáveres, não querem ser responsáveis por essas mortes, não querem exigir assim de seus corpos, eles não querem. Chove, agora, no molhado: a ameaça de câncer. Até chegar a impossibilidade mais pura e dura: tantos quererão comer seu quinhão de carne que o planeta, esgotado, dirá basta.

Vai demorar: o comércio mundial de alimentos está organizado para concentrar os recursos em benefício de uns poucos, poderosos interesses defenderão seus interesses. Mas em algum momento, dentro de décadas, um século, os historiadores começarão a olhar para trás e falarão sobre estes tempos — um lapso breve, um suspiro na história — como A Era da Carne. Que terá, então, terminado para sempre.

* Martín Caparrós é escritor e jornalista argentino e autor de Hambre (Anagrama).

 

Fonte: El País Brasil (coluna).

ALERJ

DMC Firewall is a Joomla Security extension!