Imprimir

“A água é um bem finito e para preservá-la, precisamos da ajuda de todos”

. Acessos: 1195

648

Entrevista exclusiva com André Corrêa, Secretário Estado do Meio Ambiente do Rio de Janeiro

André Corrêa tem 51 anos, é formado em Administração de Empresas e Administração Financeira pela PUC-RJ, com mestrado em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas. Em 2015, assumiu seu quinto mandato de deputado estadual e, agora, retorna ao comando da Secretaria de Estado do Ambiente, com o compromisso de conciliar a preservação ambiental com o desenvolvimento econômico em bases sustentáveis. Exerceu os cargos de Gerentede Políticas Públicas do Sebrae/RJ e membro do Conselho Empresarial do Meio Ambiente da Associação Comercial do Rio de Janeiro. A sua primeira passagem pela SEA foi entre 1999 e 2002. É autor do livro Em Defesa da Vida, publicado pela Charis Editora, em 2004.

O senhor praticamente assumiu o cargo no meio de uma crise hídrica, poderia no falar um pouco sobre algumas de suas ações nessa área? André Corrêa: Tenho defendido que a água é um bem finito e para preservá-la, precisamos da ajuda de todos. Nesses três meses que estou à frente da Secretaria tenho aprendido e me surpreendido com muitas questões relacionadas ao nosso abastecimento. Estive em Brasília, na companhia do governador Pezão, conversamos com a Presidente Dilma sobre a grave crise hídrica do Sudeste e também com a ministra Izabella e conseguimos estabelecer uma ótima parceria entre Governo Federal e Estadual que tornará possível uma série de obras estruturantes que melhorarão a capacidade de reservar água no Rio de Janeiro no curto e médio prazo.

649-2Importante dar transparência para sociedade sobre todas estas ações, especialmente sobre os avanços que conseguimos nas reuniões da Agência Nacional de Águas e com as empresas do polo de Santa Cruz. Por exemplo, conseguimos um acordo histórico com Minas Gerais e São Paulo, em reunião na Agência Nacional de Águas (ANA), onde definimos novas regras de operação para os reservatórios da bacia do Paraíba do Sul. Com essas medidas, quando o nível das águas do rio voltar ao normal, teremos mais condição de superar estiagens como a que enfrentamos agora. Nesse momento, continuamos em situação de crise hídrica e é importante a colaboração de todos. Vamos continuar adotando o uso consciente desse nosso recurso tão fundamental.

Também foi importante a conversa com os presidentes das empresas que compõe a zona industrial de Santa Cruz e estão envolvidas diretamentebvcom a captação de água no rio Guandu. As quatro companhias juntas captam o equivalente a 1m³/s do canal do São Francisco, que deságua na Baía de Sepetiba. Só para evitar a entrada de água salgada neste curso, a Cedae tem que enviar 11m³/s de água limpa. É essa “movimentação” que queremos evitar, pois causa grande desperdício e é inconcebível no momento atual e no futuro. Entre as iniciativas atuais estão a construção de um enrocamento, ou seja, um dique de pedra, que evitaria o avanço em excesso das águas da Baía para o canal. Também está em pauta a construção de uma adutora que captaria água de reuso diretamente na estação de tratamento do Guandu. Aproveito para dizer que estudo mudanças na captação da Refinaria de Duque de Caxias, a Reduc. Quero estimulá-los a comprar água de reúso da Estação de Tratamento de Alegria, na Zona Norte do Rio.

Temos um grande desafio pela frente, que é ampliar a oferta de Saneamento Básico no nosso estado. Esta é a maior dívida ambiental e social que temos. Estive com os membros da Secretaria e do Banco Interamericano de Desenvolvimento, o BID, que conta com expertise em tocar projetosdeste porte, além do conhecimento em gerir Parcerias Público Privadas, teremos muito a ganhar. Vamos em frente!

Também orientei a Coordenadoria Integrada de Combate aos Crimes Ambientais para intensificar as operações de combate à captação ilegal, ações imediatas, de curto prazo. Por exemplo, estive recentemente com a Equipe na zona de amortecimento do Parque Estadual da Pedra Branca, em Vargem Grande, Zona Oeste onde apreendemos quatro caminhões pipas e lacramos oito poços de captação de água irregulares. Aproveito este espaço para alertar todos aqueles que fazem extrada ilegal de água subterrânea – podem colocar a barba de molho! Não iremos aceitar esse crime.

Como está o Programa Minha Casa Minha Vida aqui no Rio de Janeiro?

Esse ano, serão entregues mais de 1000 moradias no nosso estado, através desse programa. Conversei com o secretário de Habitação Bernardo Rossi para falar sobre a integração de programas. Este mês, foi um grande prazer entregar as primeiras 300 moradias do Residencial Trio de Ouro, em São João de Meriti. As famílias contempladas com os novos apartamentos moravam, antes, às margens do Rio Sarapuí, sem condições e sempre ameaçadas por enchentes e doenças. Com a conclusão dessa primeira fase do projeto, demonstramos que essa realidade está mudando. Em breve, mais 660 moradias completarão o conjunto, e nós, da Secretaria do Ambiente e do Inea, vamos continuar trabalhando para garantir a segurança e trazer dignidade a essa população.

649-3

E a Mata Atlântica, Secretário?

Em dez anos, o Rio de Janeiro passou de maior desmatador para o estado que menos desmata. Recebemos um elogio da Ministra do Meio Ambiente, Izabella, o que muito nos honra. E recentemente tive uma reunião super produtiva com meus amigos Márcia e Mário Montalvani, da SOS Mata Atlântica e vamos trabalhar juntos para que o Rio não só pare de perder, mas sobretudo ganhe cobertura de Mata Atlântica. Também foi muito importante a conversa com os secretários Julio Bueno e Christino Áureo, além das equipes da Firjan, da Emater, da Secretaria e do Inea, onde colocamos em pauta assuntos como o Estudo e Relatório de Impacto Ambiental, o Eia-Rima, Distritos Florestais, Zoneamento Ecológico e principalmente o Cadastro Ambiental Rural - CAR, que é um instrumento fundamental para auxiliar no processo de regularização ambiental de propriedades e posses rurais. Quero trabalhar junto com a Secretaria de Desenvolvimento e com a Secretaria de Agricultura para ampliarmos a cobertura de Mata Atlântica do nosso estado e ao mesmo tempo gerar oportunidade e renda.

 

 


Veja mais fotos da entrega do minha casa minha vida em são joão do meriti, RJ:

 

www.flickr.com/photos/depandrecorrea/sets/72157651133430970/



ALERJ

DMC Firewall is developed by Dean Marshall Consultancy Ltd